Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Saint-Malo

por Mäyjo, em 24.08.18

Saint_Malo_reduced.jpg

Saint-Malo é uma cidade portuária histórica no noroeste da França, localizada ao longo do Canal da Mancha. Suas origens remontam a um assentamento monástico fundado no início do século VI.

Durante a Segunda Guerra Mundial, Saint-Malo foi quase completamente destruída quando os Aliados a confundiram com uma fortaleza do Poder do Eixo e a bombardearam pesadamente.

Demorou 12 anos a reconstruir.

 

Imagem via: DigitalGlobe

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:05

Antofagasta, Chile

por Mäyjo, em 22.02.18

antofagasta, Chile.JPG

23.6500, -70.4021

Ondas do Oceano Pacífico rolam para a cidade de Antofagasta, situada na costa do Chile.

Como esta área está situada no deserto de Atacama - a região mais seca do mundo - tem uma vegetação incrivelmente esparsa.

No total, Antofagasta abriga cerca de 400 mil habitantes e é a terceira maior cidade do município.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:13

Delray Beach, Florida

por Mäyjo, em 20.02.18

No._39_-_Delray_Beach.jpg

26.475547616 °, -80.156470216 °

Delray Beach, na Flórida, EUA, é uma comunidade residencial.

Tal como muitas cidades no estado da Flórida contêm comunidades planeadas, muitas vezes construídas no topo das vias navegáveis na segunda metade do século XX, há uma série de projetos intrincados, como este que são visíveis a partir do céu.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:53

Lyon, França

por Mäyjo, em 16.02.18

IMG_2049.JPG

45.7626909, 4.8390297

A cidade de Lyon é a terceira maior cidade da França e está situada na convergência dos rios Ródano e Saône. Uma seção da cidade, dividida pelo Ródano, é visível nesta foto.

Lyon é frequentemente reconhecida como o local de nascimento do cinema - pioneiro pelos irmãos Lumière aqui em 1895 -, além de ser um importante centro culinário.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:30

Astronauta russo publica no Instagram uma foto de Brasília, vista do espaço.

por Mäyjo, em 25.01.18

Astronauta russo publica .jpg

"Cidade incrível", comentou o astronauta Sergey Ryazanskiy que está a bordo da Estação Espacial Internacional.
A bordo da Estação Espacial Internacional (ISS, sigla em inglês), o astronauta russo Sergey Ryazanskiy, de 42 anos, postou na sua conta no Instagram (@sergeyiss) uma foto de Brasília tirada na madrugada de 30 de agosto. O astronauta está numa missão de seis meses no espaço para realizar uma série de experiências com nanosatélites na órbita da Terra.
Na parte central da imagem é possível ver o desenho do plano piloto e o contorno do Lago Paranoá.

Ryazanskiy divulgou a foto com a mensagem “A incrível cidade de Brasília. Vista de cima, a parte principal da cidade se assemelha a um avião, não é?” para os seus mais de 86 mil seguidores na rede social.
Além de ser o engenheiro de voo da missão, o astronauta é o fotógrafo “de serviço” registando imagens de diversas partes do mundo. A estação está a uma altitude de 400 km e dá uma volta em torno da Terra a cada 90 minutos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:18

Visto de Cima - Lisboa

por Mäyjo, em 13.12.17
Lisboa é a capital e a maior cidade de Portugal com uma população estimada em 552.700 habitantes.
Esta foto mostra uma parte considerável da área do centro, incluindo o espaço verde à direita chamado "Parque Eduardo VII" - um parque de cidade maciço conhecido pelas suas plantas exóticas, monumentos e vistas panorâmicas da cidade.
Lisboa é a única capital da Europa localizada junto do Oceano Atlântico.

Lisbon_LR.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:59

VILLA 31: DE FAVELA A NOVO BAIRRO DE BUENOS AIRES

por Mäyjo, em 12.07.17

Villa 31

A Villa 31 é a favela mais antiga e famosa de Buenos Aires, que não só não desaparece como também continua a crescer em pleno coração da capital argentina. Vivem aqui mais de 40.000 pessoas, o dobro do que há 15 anos.

 

Este bairro da lata, que deve as suas origens à crise de 1930, está separado pelas linhas de comboio do bairro mais caro de Buenos Aires – a Recoleta. O contraste é brutal. De um lado, ruas de terra batida, um emaranhado de fios eléctricos, e labirinto de construções amontoadas em construções de tijolos que chegam aos quatro, cinco andares, casas ilegais, sem alvará, nas quais ninguém paga pela luz nem pela água. Do outro, lojas de design, cafés e prédios luxuosos estilo parisiense.

Ignorada pelas autoridades durante décadas, a Villa 31 está prestes a ser sujeita a um plano de urbanização no valor de 400 milhões de dólares, que deverá ser concluído em 2019. O objectivo é desenvolver habitação, sistema eléctrico e sistema de esgotos, pavimentação das vias, sistema de recolha de lixo e construção de áreas de lazer (entre elas a reconversão da via rápida que atravessa o bairro num grande espaço verde inspirado no projecto da High Line em Nova Iorque).

Na Villa 31, onde quase metade da população são imigrantes de Peru, Paraguai e Bolívia, apenas 27% dos jovens tem ensino médio completo, bem abaixo dos 80% para todas as Buenos Aires, pelo que uma das prioridades das autoridades locais também é reduzir a taxa de desemprego de quase 50% e quase inexistência de serviços públicos, como escolas.

O governo da cidade já anunciou, aliás, que vai levar para a Villa 31 todos os seus serviços educativos, assim como 1.500 funcionários públicos, uma forma de integrar a cidade e a favela, que passará a chamar-se Barrio 31. 

Numa cidade onde 8% da população vive em guetos como este, o município pretende “regularizar o que era informal”, disse à agência France Presse Diego Fernandez, responsável pela Integração Social e Desenvolvimento Urbano de Buenos Aires. “Vamos tentar transformar este bairro quase numa cidade europeia, com casas baixas e ruas estreitas. Queremos fazer com que as pessoas da cidade venham para cá. O bairro tem muito valor, existem legumes aqui que não se encontram em qualquer outro lugar da cidade, aqui vende-se de tudo”.

Comprovando a transformação em curso, o BID-Banco Interamericano de Desenvolvimento (um dos financiadores do projecto) vai abrir aqui o seu escritório argentino num prédio construído por trabalhadores locais e a McDonald’s também já confirmou que planeia abrir um restaurante no bairro 31.

Foto: Creative Commons

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:19

E SE OS CANDEEIROS DE RUA TAMBÉM SERVISSEM PARA CARREGAR O CARRO?

por Mäyjo, em 10.07.17

Ubitricity estacao carga

O carregamento é sem dúvida um dos maiores problemas de quem tem um veiculo eléctrico. Sobretudo para quem não tem uma garagem com uma tomada. Existem as estações de carga na rua, claro (muito económicas até agora), mas faltam lugares, e vão faltar cada vez mais à medida que o número de Veículos Eléctricos (VE) aumenta.

 

Daí a genialidade desta solução agora encontrada, aproveitando os postos de electricidade normais para carregar os VE. E, como tudo é circular, a medida só se tornou possível com as novas luzes LED, que consomem menos energia, libertando-a para outros usos.

Assim, conseguem-se aumentar em muito os lugares de estacionamento, gastando apenas uma fracção dos custos: a agência de notícias Reuters fala em 500 a 800 euros, por oposição a uma estação dedicada de 10 000 euros.  E existem mais vantagens: como são estações de carregamento “normal” (seis a oito horas para a carga completa) facilitam a gestão energética das cidades e permite que as novas estações dedicadas sejam ultra rápidas.  

Ubitricity estacao carga1

Tudo esse deve à tecnologia de uma empresa alemã, Ubitricity, como diz o co-fundador Knut Hechtfischer “Isto é uma coisa que, neste momento mais ninguém consegue fazer porque ninguém tem carregadores tão pequenos como os nossos”.  Isto porque a Ubitricity passou parte da tecnologia necessária para o cabo, que deve ser adquirido pelo consumidor, para saber por exemplo quem consome o quê, para que sejam debitados os valores correctos às pessoas certas.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:16

PRAIAS FLUVIAIS DE PARIS FECHADAS UMA SEMANA DEPOIS DE ABRIREM

por Mäyjo, em 05.07.17

canal de l'Ourcq Paris

Foi uma das grandes inaugurações de Paris este Verão, e a presidente do Município, Anne Hidalgo, declarou-as “um sonho tornado realidade” durante a inauguração. E população aderiu em massa, formando-se longas filas à espera para tomar um banho no Sena. As novas praias fluviais recebiam cerca de 300 banhistas de cada vez.

 

Mas esta semana as autoridades fecharam as praias até nova ordem, devido à qualidade da água ter sido declarada insatisfatória. Não foram avançadas mais explicações mas, segundo o jornal The Guardian, uma rádio local apontava culpas às chuvas que caíram no fim de semana e que causaram valores acima do permitido de ‘enterococcus’, bactérias de origem fecal e urinaria. Como não sabemos.

Foi sem dúvida um rude golpe para a cidade, depois de 10 anos de esforços, para limpar as águas do canal. Sobretudo quando a presidente já declarou que quer ter as águas do Sena completamente limpas em 2024, ano a que a cidade se candidatou a receber os Jogos Olímpicos. Para que todos possam tomar banho a ver a Torre Eiffel. Ou não…

Foto Wiki Commons

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:10

SECA OBRIGA ROMA A FECHAR AS TORNEIRAS 8 HORAS POR DIA

por Mäyjo, em 04.07.17

Fontana di Trevi Roma_

Os efeitos da seca que se faz sentir nalguns países europeus, Portugal incluído, teve, para já, uma consequência extrema: as autoridades da região da Lázio decidiram que não se irá continuar a explorar as águas do lago Bracciano, um dos que abastece Roma, privando assim a capital do país de água durante oito horas, um terço do dia. A Acea, empresa que gere o abastecimento, avisou por seu turno que o racionamento terá de acontecer em turnos alternados, que tanto podem acontecer de noite como de dia.

 

“Assistimos a uma tragédia” referiu o presidente da Lázio, Nicola Zingaretti, quando decidiu interromper a utilização do lago, a cerca de quarenta quilómetros da capital, e cujo nível de água desceu já 1,5 metros, colocando em perigo o equilíbrio ecológico na zona.

Segundo o La Repubblica, a Itália está sob a maior seca dos últimos 200 anos.  E desde o tempo dos imperadores romanos, e dos grandes aquedutos, que a cidade eterna nunca tinha sentido tão gravemente os efeitos de uma seca. 

Foto Creative Commons

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:09


Este blog disponibiliza informação com utilidade para quem se interessa por Geografia. Pode também ajudar alunos que por vezes andam por aí desesperados em vésperas de teste, e não só, sem saber o que fazer...

Mais sobre mim

foto do autor


Siga-nos no Facebook

Geografando no Facebook

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Junho 2019

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D